terça-feira, 6 de dezembro de 2011

The Killer

         E aê! Sentiram minha falta? Ok, vamos pular a ladainha e ir direto para o que vem me interessando ultimamente e que, espero, passe a ser de interesse de vocês: um certo cara que hoje pode ser chamado de vovô, mas aposto que chegou a arrancar o suspiro de muitas jovens lá nos anos 50: Jerry Lee Lewis
      A década não deixa mentir: ele era do rock - dos primórdios do rock. Começou na música através do piano que seus pais se esforçaram tanto para comprar e foi daí que ele se tornou O pianista - gospel. Assim como Elvis, J. Lee cresceu cantando e tocando em igrejas pentecostais sulistas. 
      Mas cantar em igrejas nunca foi o destino de Jerry, que acabou por ser expulso da Southwestern Bible Institute, no Texas, por fazer o gospel ficar um pouquinho mais rock'n'roll. Lewis fez então "aquela" mistura de blues e country e chegou à fórmula do rockabilly, o que fez com que, em 1956, saísse Crazy Arms do estúdio da Sun Records - mesma gravadora que começou Elvis, Roy Orbison e Johnny Cash.
        A fama internacional só veio um ano mais tarde, com Whole Lotta Shakin’ Goin’ On e, depois, veio A música: Great Balls Of Fire, seu maior sucesso. Mas foi em 1958 que veio o escândalo: a menina de 13 anos com quem era casado (isso mesmo, 13 anos), Myra Gale Brown, era sua prima de segundo grau. A confusão acabou com a turnê de Jerry pela Europa - e ainda ferrou com a sua popularidade nos States.


        Lewis era notícia mais pelos escândalos do que pela música. Além das drogas e do álcool, o cantor perdeu dois filhos e duas ex-esposas, se internou numa clínica de reabilitação, atirou no seu baixista e ainda foi preso na porta da casa de Elvis - mas foi tudo um mal entendido, claro.
       E mesmo com tanta confusão na sua vida, Jerry Lee Lewis ainda tinha técnica no piano e uma voz poderosíssima. Passou a ser chamado de The Killer e foi incluído na primeira leva de artistas do Hall da Fama do Rock.
        Jerry tá aí até hoje. Lançou o Last Man Standing em 2006 e veio até no Jô Soares. Ganhou um "Prêmio pelo Conjunto da Obra" e ainda prometeu um disco que juntaria Eric Clapton, Keith Richards, Mick Jagger e Bruce Springsteen.

         Jerry L. Lewis não deixa nada a desejar se comparado à Elvis e Cash. Pra quem curte um rockabilly, recomendo que abra o 4shared na aba ao lado imediatamente e enjoy it.

2 comentários:

  1. J. L. Lewis mais louco que o Batman

    ResponderExcluir
  2. "Ainda prometeu um disco que juntaria Eric Clapton, Keith Richards, Mick Jagger e Bruce Springsteen." Sonho!
    Muito bom o post, Bia. Como sempre.

    ResponderExcluir

Comente. :D